A ARCA DA ALIANÇA

     POR RODRIGO H. C. OLIVEIRA

Imagem Meramente Ilustrativa

A Arca da Aliança era uma peça de madeira de acácia banhada a ouro puro (Ex 25.10,11) que ficava num local mais reservado do Tabernáculo. Ora, o Tabernáculo possuía três espaços distintos: o Pátio, o Lugar Santo e o Santo dos Santos (ou Santíssimo), sendo este último o local em que a Arca ficava (Ex 26.33).

No entanto, quais são os nomes da Arca? O que ela simboliza? Quais eram os elementos sagrados que ela guardava? Neste estudo iremos responder às perguntas mencionadas bem como veremos, também, algumas lições espirituais que hão de edificar nossas vidas.


INTRODUÇÃO

A Arca representava o trono de Deus e a Sua presença (Ex 25.22), também apontava para o testemunho de Deus (Ex 25.21) simbolizado pelas Tábuas da Lei, e por isso indicava a pessoa de Jesus. Ora Jesus é a própria Palavra e Testemunho de Deus, além disso, seu testemunho fora maior que o de João - o último profeta da lei (Jo 5.36,37).

Uma vez ao ano o sumo sacerdote se colocava no Santo dos Santos para aspergir sangue sobre o propiciatório (ou tampa) como expiação pelos pecados do povo. Todo o Tabernáculo tinha por objetivo revelar o sacrifício perfeito de Jesus Cristo em favor da humanidade.

Porém, com o passar dos anos, o povo de Israel passou a lidar de forma errada com a Arca. Na verdade eles passaram a vê-la como uma espécie de amuleto, uma garantia incondicional do favor e do poder de Deus. Desse modo, Deus permitiu que a Arca fosse levada pelos filisteus até a casa de Dagom (I Sm 5.1,2). Este fora, sem dúvidas, um dia de pranto e dor para Israel.


A DESCRIÇÃO DA ARCA

1 - Seus Nomes: A palavra "Arca" corresponde à designação hebraica que significa "cofre, caixa ou baú".  Na Bíblia, ela é chamada por vários nomes, tais como "Arca de Deus, Arca do Senhor, Arca da Aliança, Arca do Testemunho, Arca da tua Força e Santa Arca" (I Sm 4.11; Js 3.6,13; Nm 14.44; Nm 7.89; II Cr 6.41; 35.3; Sl 132.8). Elienai Cabral comenta que "era a peça mais importante do Tabernáculo porque ocupava o primeiro lugar na vida espiritual de Israel".¹

2 - Material e Construção (Ex 25.10-22): Segundo a ordenança de Deus, fora feita com madeira de cetim (acácia) medindo aproximadamente 125 centímetros de comprimento por 75 de largura e altura. Era totalmente banhada a ouro puro tanto por dentro quanto por fora. Ao redor de sua tampa (propiciatório) havia também uma coroa de ouro, bem como dois querubins de ouro batido. Os querubins ficavam frente a frente e suas faces eram voltadas para a tampa, já suas asas eram estendidas cobrindo, dessa maneira, o propiciatório.

Em cada um de seus quatro cantos encontrava-se uma argola de ouro fundido que serviam para colocar as varas de cetim banhadas a ouro de modo que arca pudesse ser levada e conduzida. As varas ficavam nas argolas e não deviam ser removidas delas, evitando-se, também, que a Arca fosse tocada. Segundo a Escritura, Bezalel fora seu construtor (Ex 37.1-5).


SÍMBOLO DAS DUAS NATUREZAS DE CRISTO

A Arca foi feita de madeira de acácia banhada a ouro tanto por dentro quanto por fora. A madeira fala do homem e apontava para a humanidade de Jesus; o ouro, porém, fala-nos de Sua divindade. A epístola aos Hebreus demonstra com clareza a superioridade e divindade de Cristo Jesus (Hb caps. 1 e 2).

Como já mencionado anteriormente, a Arca também era símbolo da plenitude da presença de Deus no meio de Seu povo. Isto tipifica as duas naturezas de Cristo: verdadeiro homem e verdadeiro Deus. O Novo Testamento revela que em Jesus Cristo "habita corporalmente toda a plenitude da divindade" (Cl 2.9). 

Melhor dizendo, Cristo é o Emanuel (que quer dizer Deus Conosco); Ele é em verdade o verbo que se fez carne à nossa semelhança (madeira de acácia) e habitou entre nós (Mt 1.23; Is 7.14; 9.6; Jo 1.14). "É uma verdade consoladora saber que hoje temos, à destra de Deus, um Sumo Sacerdote que sabe o que se passa com a nossa vida e ainda compadece-se por ela (Hb 4.15).

Portanto, não hesite em chegar ao trono da graça com confiança (Hb 4.16)".² 


O PROPRICIATÓRIO E SEU SIMBOLISMO

1 - A Tampa: que ficava sobre a Arca também é denominada de "propiciatório". Era feita de ouro puro e adornada ao redor com uma coroa de ouro e dois querubins de ouro batido. Os querubins ficavam frente a frente e suas faces eram voltadas para a tampa, já suas asas eram estendidas de modo a cobrir o propiciatório.

O sentido simbólico do propiciatório aponta para o trono de Deus e Sua misericórdia. O termo utilizado para propiciatório na epístola aos Hebreus é a palavra hilastērion (gr. ἱλαστήριον) e significa "onde Deus nos é propício; assento de misericórdia".

Decorre da palavra hilaskomai (gr. ἱλάσκομαι) que é semelhante a hilasmós (gr. ἱλασμός), "propiciação, apaziguamento / satisfação da ira divina sobre o pecado") - propriamente, para estender a propiciação, mostrando misericórdia ao satisfazer (literalmente, propiciando) a ira de Deus sobre o pecado; "para conciliar, apaziguar, propiciar" (Abbott-Smith).³ 

Nos diz a Escritura que Jesus "é a propiciação pelos nossos pecados" (I Jo 2.2) e ainda, segundo o apóstolo Paulo, somos "justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue" (Rm 3.34,25).

2 - Os Querubins: guardavam o propiciatório e o cobria fazendo sombra (Hb 9.5). Abraão de Almeida comenta que "se os querubins faziam sombra sobre o Propiciatório é porque estava sobre ele a Shekinah, ou fogo terrível, fogo de Deus, que neles resplandecia".⁴ "Era entre estes querubins que habitava a glória do Senhor.

Esta era uma manifestação visível da presença do Senhor entre seu povo. Pelo fato da Arca ser o lugar da habitação divina, nenhum homem comum podia comparecer diante do propiciatório, e nem mesmo o sumo sacerdote podia comparecer diante da arca por sua própria conta ou sem o sangue do sacrifício. A penalidade por fazê-lo era a morte".⁵

Hoje, temos "ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus" (Hb 10.19). Não haverá morte para aqueles que têm fé na obra da cruz do calvário. É pela fé em Jesus que somos justificados. Glórias, pois, a Ele!


O CONTEÚDO SAGRADO DENTRO DA ARCA

Elementos muito valiosos encontravam-se dentro da Arca: Hebreus cap. 9 verso 4 diz que lá estavam um vaso de ouro, que continha o maná (Ex 16.32-35), e a vara de Arão, que tinha florescido (Nm 17.1-10), e as tábuas do concerto (Ex 25.16,21; Dt 10.1-5).

1 -  As Tábuas da Lei: foram esculpidas em duas tábuas de pedra pelos dedos do próprio Deus. Tratam-se, de um modo mais específico, dos 10 mandamentos dados a Moisés. Apontam para a Palavra e vontade de Deus para com o Seu povo, ou seja, apontavam para Jesus (Jo 1.1; Ap 19.13), que tinha a vontade de Deus no seu coração (Sl 40.8).

2 - O Vaso Com Maná: dentro da Arca não sofria qualquer tipo de deterioração. Originalmente, quando o maná ficava de um dia para o outro, ele apodrecia (Ex 16.19,20), mas não ocorria assim dentro da Arca pois representava a provisão de Deus para com o seu povo no deserto, provisão esta que foi contínua durante 40 anos. Da mesma maneira, o maná aponta para nosso Senhor Jesus, a nossa provisão, "o pão vivo que desceu do céu" (Jo 6.51), "o pão da vida" (Jo 6.35) que alimenta à alma faminta.

3 - A Vara de Arão: que floresceu também nos fala acerca de Jesus. Nos dias da peregrinação no deserto houve uma rebelião contra a liderança de Moisés e Arão promovida por Coré. Então Deus deu ordem a Moisés a fim de que apanhasse doze varas e escrevesse o nome de cada tribo em cada uma delas. A vara correspondente a tribo de Levi deveria levar o nome de Arão.

No outro dia pela manhã, diferentemente das demais, a vara de Arão havia florescido. Desse modo as lideranças das outras tribos tiveram de reconhecer que Deus havia escolhido Arão como seu ungido a fim de exercer o sacerdócio em Israel. Tal vara serviu de memória ao povo no que diz respeito à escolha de Deus ao ministério sacerdotal.

Esse milagre nos revela com muita clareza que é Deus quem designa seus ministros em sua obra (Ef 4.11-13; Gl 1.1). É Deus, e não homens ou instituições, que estabelece e escolhe seus ministros, Ele age segundo o seu maravilhoso propósito (Rm 8.28-30; I Co 1.26,27) e ninguém pode frustrar os seus planos (Jó 42.2).

Essa vara florescida "fala da ressurreição de Cristo, e também de um ministério aprovado que dá flores e frutos. A justiça e o juízo simbolizados pelas Tábuas da Lei e pela Vara de Arão, não permitiam a presença do pecador. A graça e a misericórdia vieram por Cristo em esplendor e glória, ' porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade por meio de Jesus Cristo' (Jo 1.17).

Jesus percorreu o caminho da glória ao pó da morte, ou seja, do Propiciatório, de entre os querubins da glória, até o altar de bronze, a cruz do calvário, e o percorreu também de volta, aspergindo o seu sangue em todos os lugares, até o trono de Deus".⁶


CONCLUSÃO

A Arca da Aliança corresponde a um grande símbolo da presença de Deus entre o povo e, deste modo, apontava diretamente para a obra completa de Jesus Cristo em favor de sua Igreja. Atualmente o Consolador enviado por Jesus tem feito morada dentro de nós, sendo assim, não necessitamos mais de carregar uma arca em nossa trajetória, o Espírito Santo faz habita em nós.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo!


REFERÊNCIAS

¹ Lições Bíblicas de Adultos (Professor) - O Tabernáculo. 2º Trimestre de 2019, CPAD, p. 64.
² Lições Bíblicas de Adultos (Professor) - O Tabernáculo. 2º Trimestre de 2019, CPAD, p. 65.
³ HELPS Word-Studies - Disponível em: https://biblehub.com/greek/2433.htm
⁴ ALMEIDA, Abraão de. O Tabernáculo e a Igreja. CPAD, p. 59.
⁵ SPRECHER, Alvin. Estudo Devocional do Tabernáculo no Deserto. 1 ed. CPAD, p. 145.
⁶ ALMEIDA, Abraão de. O Tabernáculo e a Igreja. CPAD, p. 55.












Nenhum comentário:

Postar um comentário

Temas

Topo