O QUE JESUS E LUCAS FALARAM SOBRE O GÊNESIS?


O QUE JESUS E LUCAS FALARAM SOBRE O GÊNESIS?
O Hebraísta Steve Boyd & Del Tackett analisando textos bíblicos originais


"Jesus veio para nos salvar porque o Gênesis é histórico, é real".

— Thomas Purifoy Jr


Observação


Este é um artigo escrito por Thomas Purifoy Jr. Ele está disponível originalmente em Inglês e você pode acessá-lo no site isgenesishistory.com com o seguinte título: "What did Jesus and Luke say about Genesis?", que em tradução livre significa "O que Jesus e Lucas falaram sobre o Gênesis?".


O objetivo deste artigo é mostrar (de forma sintética) como Lucas, Paulo e até mesmo Jesus viram o livro de Gênesis. O Pr. Hernandes Dias Lopes nos alerta para o fato de que é impossível negar a historicidade do Gênesis, pois, do contrário, anularíamos a própria necessidade da salvação. Só precisamos de salvação porque no Éden houve A Queda. Como disse D. Martin Lloyd-Jones: "Eu não tenho evangelho a menos que o Gênesis seja, de fato, histórico".


Que Deus lhe abençoe,

Administradores do Grupo Palavra Revelada Oficial.



 "E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem".
- Jesus de Nazaré em Mateus 24:37


Esboço

1. A Linha (ou Fio) da História  -  2. O Gênesis de Acordo com Jesus  -  3. O Gênesis de Acordo com Lucas  -  4. Fonte

1. A Linha (ou Fio) da História

Eu dou aulas de cinema para um pequeno grupo de alunos de homeschooling. Passamos as primeiras semanas "caminhando" por pessoas chave na história do cinema, pessoas que morreram antes de qualquer um de nós nascer: Thomas Edison, os irmãos Lumière, D.W. Griffith, Charlie Chaplin, Sergei Eisenstein, e assim por diante. Expliquei aos meus alunos acerca de como essas pessoas reais fizeram algo importante - inventaram uma câmera, uma maneira de fazer filmes - que pode estar conectado ao que estamos fazendo como cineastas hoje em dia.

Este puxar do fio da história pode ser feito com qualquer coisa: negócios, ciência, tecnologia, governo, educação - tudo está conectado a pessoas que viveram e a eventos reais que aconteceram em algum momento do passado. Poderíamos até dizer que o presente está imutavelmente ligado ao passado através de uma cadeia ininterrupta de indivíduos reais.

Essa parece ser a opinião dos escritores do Novo Testamento. Eles regularmente se referiram a pessoas e eventos que aconteceram muito antes deles, mas que ainda estavam ligados, de alguma maneira, às suas vidas no primeiro século d.C.

Esta é uma das principais premissas do nosso projeto sobre o Gênesis: pessoas como Paulo, Lucas, Jesus, Pedro e João se referem às pessoas e eventos do Gênesis como uma história real, como algo que realmente aconteceu. Eles falaram sobre o Gênesis assim como nós falamos hoje em dia acerca de pessoas e eventos que tiveram um certo impacto na história mundial ou nacional.

O que exatamente dizem os escritores do Novo Testamento acerca das pessoas e dos acontecimentos registrados no Gênesis?  É útil vermos o que eles realmente nos disseram, iremos, portanto, examinar uma série de citações interessantes e proveitosas a este respeito.

2. O Gênesis de Acordo com Jesus

Um dos métodos favoritos de Jesus era perguntar às pessoas se elas tinham lido esta ou aquela passagem do Antigo Testamento. Trata-se de uma excelente abordagem: começar com o texto bíblico. Ao falar sobre o divórcio, Jesus perguntou: "Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, e disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne?" (Mateus 19.4-5). 

Obviamente Jesus tinha lido o Gênesis 1 e 2, porque, aqui, Ele os está citando. Não costumamos pensar em Jesus lendo o Antigo Testamento, mas Ele o fez. Como todo menino judeu bem instruído do primeiro século, Ele também passou pelo aprendizado normal da Torá que todos os demais meninos de sua idade passaram.

Ele sabia muito bem que o Gênesis narra que Adão e Eva foram criados no sexto dia da criação. De acordo com Jesus, esse sexto dia da criação foi "desde o princípio", uma frase que vemos várias vezes no Novo Testamento. Ela se refere ao início da criação como registrada em Gênesis 1.

Em outras palavras, Jesus está destacando que tanto Adão como Eva haviam, de fato, sido pessoas reais que foram criadas no princípio para se unirem (ou casarem) um ao outro. Ele estava fazendo com que seus ouvintes se lembrassem acerca de quando foram criados a fim de que soubessem que as coisas sempre foram assim; como resultado, suas pretensões ao divórcio eram contrárias à ordem estabelecida por Deus na criação, no começo de todas as coisas. De acordo com Jesus, Adão e Eva foram duas pessoas reais criadas para se casarem em um momento real; e seus ouvintes eram sensatos o suficiente para compreenderem a importância disso.


Steven Boyd explica o texto original para Del Tackett no Hebrew Union College.

Em outra passagem, Mateus registra como Jesus denunciou os fariseus e escribas por sua flagrante hipocrisia. Não medindo palavras, Ele lhes diz que Deus lhes enviou os profetas para que houvesse juízo, "para que sobre vós caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias..." (Mateus 23.35). De acordo com Jesus, Abel foi uma pessoa real cujo sangue foi derramado por seu irmão (Caim), mas cuja punição recairia sobre todos aqueles que rejeitassem os profetas de Deus.

Por fim, pouco antes de sua morte, Jesus relatou a seus discípulos acerca de detalhes importantes sobre Sua segunda vinda: "E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem" (Mateus 24.37-39).

Acho isso interessante por uma série de razões. Em primeiro lugar, Jesus não apenas conhece os eventos históricos e catastróficos registrados em Gênesis 6 e 7, mas também sabe que seu público está familiarizado com eles. Seu entendimento prévio acerca da destruição total e inesperada do dilúvio é a base para Sua comparação.

Em segundo lugar, Jesus descreveu as ações normais das pessoas que viveram na época de Noé como ações "inconscientes" de que um dilúvio estaria em breve chegando em suas casas. É assim que ouvimos as pessoas descrevendo desastres naturais; elas são constantemente surpreendidas por eles. Essa é uma nota interessante da autenticidade histórica que atua em sua comparação.

Em terceiro lugar, Jesus disse que o dilúvio varreu todos eles (os levou a todos). O fato de Jesus estar ligando um evento onde "a morte encontrou a toda carne que se movia sobre a terra, quer fossem aves, gado ou animais de todo tipo, e também toda humanidade" à Sua breve vinda, significa algo sobre como isso ocorrerá: Será algo grandioso no qual afetará a todos.


Ilustração - A Arca de Noé

De acordo com Jesus, Noé, a arca e um dilúvio global que ceifou a vida de todas as aves, animais e pessoas na terra, foram tão historicamente reais quanto Sua segunda vinda o será. (...)

Essa é uma das muitas razões pelas quais a ideia de que o dilúvio de Noé foi apenas uma inundação local, em algum lugar do Oriente Médio, refere-se a uma interpretação equivocada da Escritura. Ela não se encaixa na linguagem do Gênesis -- conhecida tanto por Jesus como por seus discípulos -- que é central para Sua comparação. Se o dilúvio narrado em Gênesis foi tão somente local, Jesus faria a comparação dizendo que Seu retorno também "seria local e afetaria apenas alguns seres vivos". Mas não é isso que Jesus ou mesmo o Gênesis descrevem.

O fato de Jesus estar bem familiarizado com as verdades narradas no Gênesis, e o fato de que Ele as considerava como sendo históricas e reais, nos mostram o porquê de Sua declaração ser tão gloriosa. Se Noé não tivesse sido real, ou se todos no mundo não tivessem sido mortos, ou se o dilúvio não tivesse sido global, - se de fato fosse assim -, então as observações de Jesus não fariam o menor sentido...

3. O Gênesis de Acordo com Lucas

Lucas é provavelmente o melhor historiador do Novo Testamento. Digo isto por duas razões. Primeira, ele não testemunhou pessoalmente a maioria dos eventos sobre os quais escreveu, mas, em vez disso, "tendo seguido todas as coisas de perto durante algum tempo", decidiu "escrever um relato ordenado" a respeito da vida de Jesus e da igreja primitiva. Isso significa que ele entrevistou pessoas e aprendeu com elas, escrevendo "segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio, e foram ministros da palavra" (Lc 1.2).

Em segundo lugar, Lucas toma muito cuidado ao vincular os eventos sobre os quais está escrevendo aos marcadores (calendários) geralmente aceitos em sua época. Isso inclui cargos governamentais e reinados de imperadores. Ele também levou algum tempo para pesquisar as listas genealógicas e familiares da linhagem de José e Maria a fim de mostrar como a descendência física de Jesus estava ligada e relacionada no tempo através de pessoas reais.

Não há nada mais básico para entender os vínculos que compõem a história do que um registro genealógico. Embora sejam frequentemente ignorados pelos leitores modernos, no primeiro século esses registros tinham uma importância primordial. É por isso que eles estão no começo dos evangelhos de Mateus e Lucas (...)

No terceiro capítulo de seu evangelho, Lucas concluiu seu relato acerca do batismo de Jesus citando as palavras do Deus Altíssimo: "Tu és o meu Filho amado; em ti me comprazo". Essa declaração da parte de Deus Pai nos mostra a linhagem divina de Jesus. Mas sabendo que Jesus era tanto Deus como homem, Lucas passa a mostrar como ele está ligado a Adão, o primeiro filho de Deus.

E assim, Lucas apresenta uma lista de 70 homens que estão, fisicamente, relacionados a Jesus. Ele prossegue voltando através de Davi, Abraão, Noé e, terminando com "Adão, o filho de Deus". Esta é basicamente uma linha do tempo genealógica do mundo, desde o princípio da criação até Jesus. Lucas vê de forma clara e evidente que todos estes nomes referem-se a pessoas reais que geraram filhos de suas esposas (com a possibilidade de casamento levirato naturalmente incluída). Em certo sentido, a genealogia apenas enumera os elos da cadeia histórica.

Além disso, Lucas prossegue em seu próximo capítulo para nos mostrar que, tanto Jesus como Adão tiveram (e têm) papéis semelhantes na história do mundo. Lucas presume que seus leitores conhecem a história registrada em Gênesis, cap. 3 (uma tentação do "primeiro homem" por Satanás, em um jardim), para que eles entendam o que aconteceu a Jesus (uma tentação do "último homem" por Satanás, em um deserto, o resultado estéril da maldição de Deus sobre Sua criação).

O ponto aqui é que Lucas está inteiramente consciente da história registrada no Gênesis. De acordo com Lucas, todas as pessoas que ele enumera em sua genealogia são pessoas reais que viveram em tempos reais, cujas ações tiveram consequências também reais. Isto é, afinal de contas, o que os bons historiadores fazem: mostram como os diferentes eventos que aconteceram ao longo da história se relacionam entre si.

Na verdade, a relação entre Jesus e Adão é a conexão mais importante de toda a história. Ela é fundamental para o evangelho e é central em relação ao que Jesus veio fazer. Portanto, não podemos fazer nada melhor do que terminar com a explicação do Apóstolo Paulo acerca do que estes homens fizeram e que tem um impacto máximo em nossas vidas hoje:

"Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos. E não foi assim o dom como a ofensa, por um só que pecou. Porque o juízo veio de uma só ofensa, na verdade, para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação. Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida" (Romanos 5.15-18).


"Nada no mundo faz sentido, exceto à luz do Gênesis".

— Del Tackett



4. Fonte: https://isgenesishistory.com/

, Autor do Artigo.

Traduzido por Rodrigo Henrique Campos Oliveira.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Temas

Topo