A ORAÇÃO PRODUZ A PAZ QUE ELIMINA A ANSIEDADE

POR JOÃO CANUTO
A ORAÇÃO PRODUZ A PAZ QUE ELIMINA A ANSIEDADE

"Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus". Filipenses 4:6

A ansiedade tem sido a causa de muitas enfermidades que sobrevém ao homem. Ela aprisiona, escraviza e frustra o homem de todas as maneiras. Atrapalha o raciocínio, a dicção e a capacidade de enfrentar a vida.

A psicologia tem se ocupado em estudar a ansiedade, procurando a solução, técnicas terapêuticas e coisas do gênero para combatê-la.

A indicação mais eficaz da psicologia quanto à ansiedade é falar. Tirar de dentro de si e expor. Será mesmo que o simples ato de falar a quem quer que seja é suficiente para aniquilar a ansiedade e resolver suas consequências?

Vejamos o que Paulo inspirado por Deus diz a respeito disto.

Paulo escreve aos Filipenses de uma forma tão convicta que nos leva a crer que ele mesmo foi experimentado também neste quesito. Neste mesmo capítulo ele diz que aprendeu estar abatido e em abundância, em ter fome e em ter fartura.

É muito comum que a preocupação cotidiana nos cause ansiedade. Ansiedade que em nossa mente se transforma em necessidade: Preciso passar em um concurso. Preciso comprar uma casa, ter um carro, um terno novo, viajar.

Todas estas são ansiedades e não necessidades.  Isaías já indagava porque gastais o vosso dinheiro naquilo que não é pão? A verdade, é que do coração vêm os pensamentos e dos pensamentos os desejos do homem. Por isto Paulo escreve mostrando o processo de aniquilação da ansiedade, mostrando aos Filipenses os frutos deste processo e em que ocupar a mente.

PRIMEIRO PROCESSO

Tornar conhecido diante de Deus os vossos pedidos pela oração e súplica com ações de graça. (Filipenses 4.6)

A primeira coisa a se fazer é falar com Deus. Falar é sim uma parte importante do processo, mas o resultado dependerá do ouvinte e no caso do servo o ouvinte é Deus.

Enquanto Ele ouve, automaticamente analisa com todo o seu conhecimento. Porventura é para Ele alguma coisa maravilhosa? Há alguma coisa debaixo dos céus que ele mesmo criou que lhe seja um mistério? O sopro de vida é um mistério pra você? Para Ele não!

Meu caro irmão, o que é então a sua luta para Ele? O que é então o seu desejo para Ele? Torne-os conhecidos perante Ele com orações e ações de graça. Meios de graça são eficazes!

Muito se ouve que a oração é o combustível do servo. Faz sentido, pois a oração é como aprender a andar.

No momento da sua conversão qual foi a primeira coisa que fez? Certamente uma oração entregando o seu coração a Jesus. Mesmo não sabendo direito como orar, você a fez em um ato de fé. Quando você aprendeu a andar com a ajuda de um adulto, você andava tendo fé que se fosse cair o adulto lhe seguraria. A oração não é diferente, ela é um exercício da fé. Oramos com a certeza de que alguém nos contempla e não somente isto, mas nos ouve, ensina e responde conforme a sua vontade.

Os primeiros passos não são muito firmes, joelhos ainda vacilantes. Com o passar do tempo. Você consegue dar 1 ou 2 passos, até aprender a andar. E quando aprende, não quer parar mais, quer ir cada vez mais rápido, de forma mais intensa. Imagine agora se em algum momento você deixasse de andar, vivesse sentado ou deitado.

Resultado: Os músculos iriam atrofiar, sua coordenação motora iria ficar comprometida e a dependência de outras pessoas iria se tornar evidente.

Assim como a oração nos faz caminhar e correr grandes distâncias, a falta de oração atrofia a nossa vida espiritual. Passamos a depender das pessoas e não de Deus (pois não falamos mais com Ele). Ficamos sujeitos ao ambiente.

Por isto Paulo recomendava que tornássemos conhecidas as nossas necessidades a Deus através da oração. Somos os filhos e Ele o Pai que nos ensina o que é útil e o caminho que devemos andar. E como para todo Pai, o filho nunca cresce.

Nunca seremos grandes e experimentados o suficiente para andarmos sozinhos. A oração que é feita em nome de Jesus é o elo perfeito da nossa comunicação com o Pai.

SEGUNDO PROCESSO

A paz de Deus que excede todo o entendimento guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. (Filipenses 4.7)

A verdadeira paz é saber que você está caminhando na direção certa e de forma segura. O efeito da oração é exatamente este. Estou indo em direção ao céu e guardado por Deus. Esta paz que é produzida pela oração é um grande mistério, excede o entendimento humano. O entendimento humano pode pesquisar, testar, explicar muitas coisas. Mas poderia a ciência humana definir a paz que sentimos ao orar pelas nossas necessidades e a dos irmãos?

Certamente apareceriam doutores explicando a as substâncias liberadas pelo corpo e o processamento do cérebro para tais sensações. Poderiam até tentar reproduzir os mesmos efeitos físicos com medicamentos e drogas, mas não poderiam conservá-la em nós.

Jamais poderiam nos dar a certeza e a segurança que sentimos nesta caminhada. Este efeito, a paz, é o efeito ideal para guardar os nossos corações e pensamentos em Cristo Jesus, eliminando assim a ansiedade. Em Timóteo 6 são apresentadas várias situações e que por causa delas alguns se desviam da fé. A ansiedade enfraquece a nossa fé. Estando pois guardados o nosso coração e os nossos pensamentos. Passamos ao 3º “estágio”

TERCEIRO PROCESSO

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. (Filipenses 4.8)

Paulo escreveu isto a uma igreja, um corpo! Estes são os frutos e os pensamentos que norteiam o corpo que ora. São fortalecidos não só na estrutura física para andar, estar apto para batalhar. Mas limpa nossa mente, focando-a em Jesus e no plano de salvação que tem sido contínuo nas nossas vidas. É a transformação que tanto pregamos, o novo nascimento. Cada vez mais os pensamentos humanos são exterminados em nós e como servos de Deus e corpo de Cristo, passamos a viver tudo o que é verdadeiro, honesto, justo, puro, amável, boa fama, virtude e gratidão.

CONCLUSÃO

Este processo deu início ao aceitarmos o Senhor Jesus através de uma oração. Alguém pode questionar se somos perfeitos. A verdade é que não somos perfeitos. As nossas falhas são corrigidas com muita oração e nós como corpo de Cristo e igreja fiel do Senhor, temos por certo isto mesmo! Que aquele que em nós começou a boa obra, a aperfeiçoará até o dia de Jesus Cristo!

Topo