O MAL DO EXCLUSIVISMO DENOMINACIONAL

POR ÁLVARO OSTROSKI


INTRODUÇÃO


Responda:


Sua denominação é a única que serve a Deus?


O Espírito Santo somente se manifesta com profundidade na igreja onde você congrega?


Sua denominação é o remanescente fiel de Deus na terra?


Deus revela coisas para sua denominação que a nenhuma outra mais revela?


O que é Exclusivismo Religioso?


Dando uma olhada rápida em um dicionário veremos que exclusivismo religioso é a crença que somente minha religião é a detentora da verdade divina e nenhuma outra mais possuí essa verdade e por isso está longe de Deus.


No aspecto amplo, o Cristianismo é sim exclusivista e isso foi defendido pelo próprio fundador do Cristianismo, a pessoa gloriosa de Jesus Cristo quando o mesmo disse em João 14:6 “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”.


Jesus com essa frase deixou bem claro que nenhuma outra religião do mundo tem acesso a Deus, pois o caminho desse acesso é Jesus.


A questão a ser analisada agora é:


Dentro do Cristianismo existe um exclusivismo? Sendo mais restrito em nossa análise perguntamos se dentro das igrejas ditas evangélicas há um exclusivismo, ou seja, somente uma denominação (organização religiosa) evangélica é detentora da presença de Deus?


Ranking das Igrejas Evangélicas no Brasil


Antes de avançar, analisemos o quantitativo das igrejas evangélicas no Brasil, e em uma pesquisa rápida no Google sobre ranking das igrejas evangélicas nesta nação descobrimos que o senso do IBGE de 2010 apontou o seguinte: 


Assembléia de Deus tem 12.3 milhões de membros; 

Igreja Batista tem 3.7 milhões de membros; 

Congregação Cristã no Brasil tem 2.2 milhões de membros; 

Igreja Universal tem 1.8 milhões de membros; 

Igreja do Evangelho Quadrangular tem 1.8 milhões de membros; 

Igreja Adventista do 7º Dia (por muitos não tida como uma Igreja Evangélica tem 1.5 milhões de membros; 

Testemunha de Jeová (por muitos não tida como uma Igreja Evangélica) tem 1.3 milhões de membros; 

Igreja Luterana tem 1 milhão de membros; 

Igreja Presbiteriana tem 900 mil membros; 

Igreja Deus é Amor tem 845 mil membros; 

Igreja Cristã Maranata tem 356 mil membros; 

Igreja Metodista tem 340 mil membros; 

Igreja O Brasil para Cristo tem 196 mil membros e 

paramos por aqui, salientando que os números foram arredondados pelo escritor deste artigo.


Em 2010 o senso do IBGE apontou que havia no Brasil mais de 42 milhões de Evangélicos.


Após verificarmos esses números poderíamos dizer que somente uma dessas Igrejas Evangélicas é o remanescente fiel de Deus nesta terra? Ou que o Espírito Santo se revela em somente uma delas?


Um exemplo fictício 


Por força de exemplo pincelemos uma delas, vamos pegar a última de nossa lista, a Igreja O Brasil para Cristo com 196 mil membros. Se dissermos que a Igreja O Brasil para Cristo é o remanescente fiel com seus 196 mil membros teremos que dizer que os outros 42 milhões de evangélicos que frequentam as igrejas, oram a Deus, buscam a santificação e creem em Jesus na verdade estão perdendo seu tempo.


Outra coisa importante de se analisar é que se eu digo que a Igreja O Brasil para Cristo é a única igreja verdadeira, eu estou dizendo que o Reino de Deus é a Igreja O Brasil para Cristo, logo eu estou diminuindo o tamanho do Reino de Deus ou o limitando, pois será que a Igreja O Brasil para Cristo consegue estar em todas as cidades, bairros e vilarejos deste país e do mundo? Se Deus somente opera na Igreja O Brasil para Cristo, como ficam as pessoas que residem nos mais diversos cantos desta nação continental que não tem acesso a ela?


Antes de continuar quero frisar novamente que a escolha da Igreja O Brasil para Cristo foi a título de exemplo e não porque tal denominação pense assim, inclusive este escritor possui amigos em tal denominação e sabe que os mesmos não são exclusivistas.


O objetivo deste artigo


Mas voltando ao tema, será que é isso que a Bíblia nos ensina?


Neste artigo queremos fundamentar biblicamente contra o pensamento exclusivista denominacional que a meu ver é maligno e leva o crente a denominaciolatria (idolatria da denominação) e a soberba espiritual, pecados que podem levar a pessoa ao inferno.


 A PALAVRA DE JESUS SOBRE O EXCLUSIVISMO DOS DISCÍPULOS 


Em Marcos 9:38-40 observamos que os discípulos repreenderam um homem que expulsava demônios pelo fato de ele não fazer parte do grupo deles, mas acompanhe a  resposta de Jesus nos versos 39 e 40 “Não lho proibais, porque ninguém há que faça milagre em meu nome e possa logo falar mal de mim. Porque quem não é contra nós é por nós”.


Esse talvez seja o texto mais forte da Bíblia contra o exclusivismo denominacional. Os discípulos achavam que somente os de seu grupo eram os eleitos, escolhidos, fieis, mas Cristo demonstra que existiam outros em seu nome e que não faziam parte daquele grupo.


A DIVISÃO E O EXCLUSIVISMO DE CORINTO


A igreja da cidade grega de Corinto é tida como uma das mais complicadas por onde Paulo passou.


Em 1 Coríntios 3 temos o relato de divisões e exclusivismo no meio da igreja, uns diziam ser do grupo de Paulo, outros do grupo de Apolo (v. 4), mas Paulo acaba com toda essa controvérsia declarando que os grupos não importavam, pois era Deus quem fazia tudo, afinal de contas “seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas (Pedro), seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro, tudo é vosso, e vós, de Cristo, e Cristo, de Deus.” 1 Coríntios 3:22,23


ELIAS E O EXCLUSIVISMO


Em 1 Reis 19:13-18 temos um dialogo entre Elias e o Senhor e no verso 14 Elias diz “Eu tenho sido em extremo zeloso pelo Senhor, Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram o teu concerto, derribaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e eu fiquei só, e buscam a minha vida para ma tirarem.”


Perceba que Elias pensava ser o único remanescente fiel de Deus em Israel, ou seja, o único que ainda fazia a vontade de Deus na terra, mas a resposta de Deus no verso 18 é magnífica “Também eu fiz ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que se não dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou.”


Deus demonstrou a Elias que ele não era o único servo fiel que o SENHOR possuía. 


Caiu por terra qualquer sentimento de presunção, orgulho ou medo que Elias pudesse ter.


A PALAVRA DE MOISÉS SOBRE O EXCLUSIVISMO


Em Números 11:16-30 temos o relato da designação de 70 anciãos para ajudarem Moisés na condução do povo e esses deveriam ficar com Moisés na frente do Tabernáculo (v.16).


No verso 25 vemos que o Espírito Santo vem sobre esses homens que começam a profetizar, contudo no verso 26 é dito que dois deles, Eldade e Medade, começaram a profetizar quando ainda estavam no arraial (acampamento do povo) e não no Tabernáculo.


Josué no verso 28 pede que Moisés proíba Eldade e Medade de profetizarem por não estarem no Tabernáculo, mas Moisés no verso 29 diz “Tens tu ciúmes por mim? Tomara que todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor lhes desse o seu Espírito!”.


Josué não aceitava que Eldade e Medade profetizassem por não fazerem parte do grupo que estava no Tabernáculo, mas Moisés com a humildade de um grande líder ensina o jovem Josué, seu sucessor, que no reino de Deus não existe espaço para exclusivismo e desejava que todo o povo e não somente os 70 anciãos fossem cheios do Espírito Santo e profetizassem. Vemos esse desejo de Moisés se cumprir centenas de anos depois, quando no dia de Pentecostes (Atos 2) todos os 120 discípulos de Jesus foram cheios do Espírito Santo e não somente os 12 apóstolos. 


AS CONSEQUÊNCIAS DO EXCLUSIVISMO


O Fariseu e o Publicano


Em Lucas 18:9-14 Jesus conta uma Parábola para tratar daqueles que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros.


Nesta Parábola temos um fariseu e um publicano. O fariseu era um judeu da mais alta posição religiosa e um publicano era um judeu cobrador de impostos romano tido como traidor por sua nação e por isso segregado.


Nos versos 11 e 12 observamos o fariseu em uma oração que demonstra sua ideia de exclusivismo e superioridade. Veja “O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou, porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana e dou os dízimos de tudo quanto possuo.”


A oração do fariseu é uma demonstração de sua auto-justificação por ser um religioso, seguir as determinações de seu grupo religioso que era jejuar duas vezes por semana, ou seja, ele dizia consigo mesmo “eu sou diferente, eu sou especial, eu sou o remanescente fiel de Deus nesta terra”


Contudo Jesus no verso 14 demonstra que o fariseu não foi justificado diante de Deus.


Como é comum ver no cenário atual pessoas desconsiderando crentes de outras denominações, os rotulando de tantas coisas que nem vamos citar.


Assim como o fariseu que jejuava duas vezes na semana como mandava a cartilha do seu grupo religioso e se orgulhava disso, temos crentes que seguem as cartilhas de sua denominação, que obviamente são diferentes da denominação vizinha e se orgulham por isso, por crerem que Deus está mais satisfeito com eles do que com os outros.


O fariseu ainda observou em sua oração todos os erros e pecados dos outros e não conseguiu perceber os seus erros, diferente do publicano que se julgava pecado. É isso o que ocorre com o exclusivista, ele vê o cisco no olhos dos outros, mas é incapaz de ver a trave em seu olho (Mateus 7:3-5)


A vida cristã deve ser regada por um auto-exame diário. Dizer que pertence ao povo exclusivo de Deus pode ser somente um discurso e não uma realidade


Pedro


Os apóstolos por vezes lutavam para serem os mais “queridinhos” de Jesus, basta lembrar o episodio onde a mãe de Tiago e João pede a Jesus que no reino um se assenta-se a direita e outro a esquerda do trono de Jesus gerando assim um mal estar entre todos os demais 10 apóstolos, contudo Jesus lhes ensina que quem “quiser ser o primeiro, que seja vosso servo” Mateus 20:17-28


Pedro em Mateus 26:31-35 demonstra achar no seu intimo que era melhor do que os demais apóstolos, pois quando Jesus informa que eles se escandalizariam do mestre o mesmo responde a Jesus no verso 33 que “Ainda que todos se escandalizem em ti, eu nunca me escandalizarei”, porém a história nos mostra que Pedro era tão fraco e pecador como qualquer um dos outros apóstolos (Mateus 26:69-75).


Pedro tinha uma visão que ele era diferente dos demais, que ele era melhor que os outros e jamais trairia Jesus, que ele era exclusivo.


O exclusivismo leva a pessoa ou até mesmo a denominação a não reconhecer de verdade quem ela é.


CONCLUSÃO


Quero concluir parafraseando parte do sonho de John Wesley, grande avivalista do século 18 e “pai” do movimento metodista.


Conta-se que em tal sonho um anjo o levava até a porta do céu. Lá Wesley perguntou ao anjo:


“Tem presbiterianos ai no céu?”


O anjo respondeu: “não, nunca entrou presbiterianos aqui”


Wesley com um ar irônico disse consigo mesmo “eu sabia que os presbiterianos não iam para o céu” (em tal época havia certos conflitos entre tais grupos)


Wesley pergunta então ao anjo: “certamente tem metodistas aqui no céu?”


O anjo respondeu: “não, nunca entrou metodistas aqui no céu”


Wesley estarrecido continua a perguntar: “então são os batistas que estão aqui no céu?”


O anjo respondeu: “não, nunca entrou batistas aqui”


Wesley sem crer no que estava ouvindo passa a perguntar sobre várias denominações que conhecia e a resposta do anjo era sempre “não, esses tais nunca estiveram aqui”


Cansado Wesley pergunta ao anjo: “QUEM ESTÁ NO CÉU?”


O anjo lhe responde: “SOMENTE AQUELES QUE FORAM LAVADOS E REMIDOS NO SANGUE DO CORDEIRO”


Que o orgulho, a soberba e o exclusivismo denominacional não venham a fazer parte de nossas vidas e que vivamos verdadeiramente como seguidores de Cristo e “de sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.” Filipenses 2:5-11


REFERÊNCIAS DE PESQUISA


Este artigo foi inspirado em:

Exclusivismo Denominacional é certo ou errado a luz da Bíblia; Pr Hélio Ribeiro. Encontrado em: https://www.youtube.com/watch?v=PPOCiooh_ek

Definindo Exclusivismo - Apologética; Bispo Tarles Elias. Encontrado em: https://www.youtube.com/watch?v=gf2j0QG1-vQ

Exclusivismo Religioso; Rev. Hernandes Dias Lopes. Encontrado em: https://www.youtube.com/watch?v=mdwXyH1hlQc&t=294s


7 comentários:

  1. A paz do Senhor Jesus!
    Texto e explicações bem claras, mas a igreja Fiel é aquela que é lavada e remida pelo sangue de Jesus, que ouve a voz do Espírito Santo, se santifica, se separa do mundo e anda conforme a Palavra do Senhor. Uma correção sobre os "Testemunhas de Jeová" eles não são considerados evangélicos e nem protestantes, de acordo com o livro da CPAD Seitas e Heresias, outro livro livro de Natanael da CPAD, São considerados seitas pelos motivos: não crêem em Jesus Cristo como Salvador, não creem no Espírito Santo, não crêem em arrebatamento, e somente o Pai Jeová e demais coisas.

    A todos a paz do Senhor Jesus e que o continue abençoando a todos os irmãos envolvidos neste trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querido leitor

      A Paz e Graça do Senhor Jesus Cristo.

      No tocante ao seu comentário relacionado as Testemunhas de Jeová temos a dizer que por isso consta entre parênteses "por muitos não tido como uma Igreja Evangélica".

      Entretanto queremos frisar que o grupo Palavra Revelada Oficial não faz qualquer tipo de sectarismo de tal grupo, muito embora não concordando com parte do pensamento das Testemunhas de Jeová.

      Gratos pela participação

      Excluir
    2. Embora não sendo evangélico e não faço parte de nenhum grupo religioso, gostei muito do texto o texto escolhido para conclusão foi muito bem escolhido. Li os comentários e quem comentou não entendeu bem o que está escrito. Se quem faz parte de um grupo religioso mal ler a Bíblia e o pouco que ler não entende o que está escrito nela como é que vai conseguir entender o que dito pelo escritor desse tema.

      Excluir
  2. Incrível como uma igreja exclusivista, que se denomina a obra do espírito santo separada da religião e do movimento, prega contra o exclusivismo. É muita cara de pau!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querido leitor

      A Paz e Graça do Senhor Jesus Cristo

      O grupo Palavra Revelada Oficial não está vinculado e nem fala em nome de qualquer denominação evangélica.

      Nosso intuito com o artigo é justamente demonstrar que o exclusivismo denominacional é uma prática não bíblica.

      Gratos pela participação

      Excluir
  3. A paz do Senhor!

    Muito bom o artigo, sou membro da ICM, e em nenhum momento em seminários ou Escola Bíblica Dominical, vi pastores desta igreja dizerem que somente os seus congregantes seriam sauvos, pelo contrário, digo por mim mesmo tenho muitos irmãos em Cristo, que são de outras igrejas (Assembleia de Deus e Batista). Sei muito bem que o Fiel que será sauvo, está em cada uma dessas igrejas, o que difere isso é o compromisso de cada pessoa com Deus, pois a Salvação não está em placa de igreja nenhuma, repito e sim no nosso compromisso com Deus!

    A paz do Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito esclarecedor o artigo.Que Deus Abençoe homens/mulheres que tem se dedicado no Estudo, meditação da Palavra de Deus.

      Excluir

Topo