CALVINISMO X ARMINIANISMO - uma breve análise

POR ÁLVARO OSTROSKI


O QUE É CALVINISMO E ARMINIANISMO?


São sistemas teológicos que visam explicar a salvação com base no estudo sistemático da Bíblia.


Observação: Mesmo que uma denominação não se defina como Calvinista ou Arminiana ela ao fundamentar sua doutrina acerca da salvação cairá em uma das duas visões ou em pontos delas.


Nota: Esse artigo é uma breve noção do que é cada um dos sistemas, para clarear a mente de quem nunca teve contato com tal assunto.


SURGIMENTO


CALVINISMO

Surgiu no séc. 16 com o teólogo francês João Calvino.

Gravura de João Calvino

ARMINIANISMO
Surgiu no séc. 16 com o teólogo holandês Jacó Armínio.
Gravura de Jacó Armínio 


PONTOS FUNDAMENTAIS (os 5 Pontos)


Cada um dos sistemas é resumido em 5 pontos. Antes de falarmos dos 5 pontos é bom entendermos a linguagem utilizada, já que os termos são do século 16, sendo assim para:


DEPRAVAÇÃO TOTAL - entenda como afastamento total de Deus por parte do homem.

EXPIAÇÃO – entenda como sacrifício de Jesus na cruz, por quem Jesus morreu;

GRAÇA – entenda como a maneira que Deus vai chamar os pecadores;

PERSEVERANÇA – entenda como sendo quem não desiste;


CALVINISMO

DEPRAVAÇÃO TOTAL - O ser humano está morto em delitos e pecados e por si próprio não pode ir até Deus (“todos pecaram e estão destituídos da gloria de Deus”);

ELEIÇÃO INCONDICIONAL – Deus elege incondicionalmente com base em sua Soberania alguns seres humanos para serem salvos, assim Deus Predestinou (destinou de antemão) tais pessoas para serem salvas com base em seus decretos (Deus quis assim e acabou);

EXPIAÇÃO LIMITADA – Na cruz Jesus morreu por todos os homens, mas a eficácia de sua morte (o perdão, a justificação, a remissão, a expiação) só ocorre nos eleitos. Em suma, na cruz Jesus morreu pelo grupo dos salvos somente;

GRAÇA IRRESISTÍVEL – Os eleitos e somente os eleitos são atraídos/chamados por Deus através de sua graça e esses eleitos não podem dizer não a graça;

PERSEVERANÇA DOS SANTOS – Os salvos perseverarão/continuarão até o fim, mesmo que cometam alguns deslizes e se afastem de Deus por algum tempo. No final eles acabarão se arrependendo e voltando a Deus. Daí surge o termo “salvo uma vez, salvo para sempre”. O cristão não pode cair da graça. Se a pessoa que era cristã se afastar e nunca mais voltar é um sinal que nunca foi salva (“saíram do meio de nós, mas não eram dos nossos”).


ARMINIANISMO

DEPRAVAÇÃO TOTAL - O ser humano está morto em delitos e pecados e por si próprio não pode ir até Deus (“todos pecaram e estão destituídos da gloria de Deus”);

ELEIÇÃO CONDICIONAL – Deus elege condicionalmente com base em sua Presciência (ver de antemão) alguns seres humanos para serem salvos. Da “eternidade passada” Deus viu no futuro quem ao receber a graça e a fé as aceitaria (livre arbítrio). Como Deus viu quem aceitaria a fé e a graça os Predestinou para a Salvação;

EXPIAÇÃO ILIMITADA – Na cruz Jesus morreu por todos os homens, e todos os homens podem receber a eficácia de sua morte (o perdão, a justificação, a remissão, a expiação) para isso precisam crer e aceitar (livre arbítrio);

GRAÇA RESISTÍVEL – Todos os homens são atraídos/chamados por Deus através de sua graça, mas o homem pode recusar esse chamado de Deus à salvação ou aceita-lo (livre arbítrio); 

PERSEVERANÇA DOS SANTOS (CONDICIONADA) – Afirmam os Teólogos que Jacó Armínio e seus seguidores (Os Remonstrantes) não “bateram o martelo” sobre a possível perda ou não da salvação, mas Teólogos como John Wesley e Roger Olson afirmam que segundo as Escrituras é possível sim perder a salvação, caso a pessoa se apostate da fé. Existe a discussão ainda se alguém que se apostatou da fé pode voltar a ser salvo ou não. Sendo assim a Perseverança dos Santos para a maioria dos Arminianos está condicionada a continuidade da fé na vida do salvo, por isso no Arminianismo não se aplica o termo “salvo uma vez, salvo para sempre”.

Nota: Os quadros explicativos sobre os 5 Pontos de cada um dos sistemas Teológicos é uma síntese da síntese e muitas implicações surgem de cada ponto, mas não é o objetivo aqui aprofundar, pois como dito de antemão a ideia deste trabalho é que a pessoa que nunca teve contato com esses sistemas tenha uma noção básica de cada um.

Nota: Quanto a Presciência de Deus, os Calvinistas alegam que Deus viu no futuro aquilo que ele já tinha decretado no passado.

Nota: A discussão entre Calvinistas e Arminianos se afunila no caráter de Deus. Os Calvinistas dão ênfase a Soberania de Deus, já os Arminianos dão ênfase a Bondade e Justiça de Deus e questionam que essa Soberania defendida pelos Calvinistas transforma Deus em um Ser Injusto e criador do mal, pois como pode um Deus Bom e Justo mandar pessoas ao inferno sem lhes dar a chance de arrependimento, já que Ele decretou em uma “eternidade passada” quem seria salvo e quem seria perdido? Outra pergunta dos Arminianos é: Por que Deus não salvou a todos então? Por que salvou somente alguns? E como resposta os Calvinistas dizem que Deus não deixou isso claro em sua Palavra, a Bíblia, e por isso só nos resta aceitar os seus decretos (Rm 9:18-22 – texto base para esse argumento por parte dos Calvinistas)


QUEM ESTÁ CERTO? CALVINISTAS ou ARMINIANOS?


Esta é uma discussão de quase 500 anos e até hoje não se chegou a uma resposta, então não serei eu quem vai responder.

Mas independente de quem estiver certo temos que na parte prática da salvação os dois grupos convergem para o mesmo entendimento, isto é, que o salvo se afasta da conduta pecaminosa, e é isso que indica que ele é um salvo.

O verdadeiro Calvinista não ensina que se você descobriu que é um salvo pode pecar à vontade agora, pois sua salvação já está garantida. Isso é o que grupos sem instrução ou maliciosos afirmam sobre o termo “salvo uma vez salvo para sempre”.

Os Calvinistas afirmam que o salvo dará frutos de arrependimento, assim como os Arminianos afirmam. Logo toda a discussão está na parte não vista da salvação, ou seja, nos aspectos “teológicos” da mesma.

Alguns pensadores do assunto afirmam e eu sigo nessa linha que a Bíblia afirma tanto os pontos Calvinistas como Arminianos, contudo nossa mente humana não consegue compreender como pode Deus decretar a salvação e ao mesmo tempo o homem ter o livre arbítrio de escolher a salvação.

Outro exemplo de nossa incomprensibilidade é a o papel da Trindade nas Escrituras e todas as suas questões, pois como pode Deus ser um em três e três em um? Isso é incompreensível a mente humana.

Em minha opinião essa discussão sem fim e por vezes mortal entre Calvinistas e Arminianos mais atrapalha do que coopera com o Evangelho. Pessoas que nunca ganharam uma alma para o Reino de Céus se digladiam para defender seus pontos teológicos e enquanto gastam anos enfurnados nos seus gabinetes lendo e relendo “As Institutas de Calvino” ou “As Obras de Armínio” seus vizinhos e familiares estão indo para o inferno porque não ouvem acerca do evangelho e sem ouvir não vem à fé e sem a fé não podem crer no Salvador. 

Não quero dizer que não se deve estudar sobre o tema, deve-se, e esta breve análise surge do estudo, mas lembro do que Paulo disse em I Timóteo 1:4 “e que parem de dar atenção a mitos e genealogias intermináveis, que causam discórdias em lugar de propagarem a obra de Deus, que tem como fundamento a fé.” 

Preguem a fé no Salvador.


ALGUNS TEXTOS BÍBLICOS “Calvinistas” e “Arminianos”


Para demonstrar como os dois pensamentos estão baseados na Bíblia apresento alguns versos bíblicos que fundamentam as duas correntes teológicas:


CALVINISMO

Depravação Total
Rm 3:23 “todos pecaram”; Ef 2:1 “estando vós mortos em delitos e pecados”

Eleição Incondicional
Jo 15:16 “não fostes vós que escolheste a mim, mas eu escolhi a vós”; Ef 1:4-5 “nos elegeu antes da fundação do mundo ... nos predestinou para filhos”

Expiação Limitada
Jo 10:15 “eu (Jesus) dou a minha vida pelas ovelhas”; At 20:28 “a igreja de Deus, a qual ele resgatou com seu próprio sangue”

Graça Irresistível
Jo 6:37 “Todo o que o Pai me dá virá a mim”; Ez 36:26-27 “E dar-vos-ei um novo coração ... e farei que andeis nos meus estatutos”; Jo 10:28 “Eu dou-lhes a vida eterna, nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará das minhas mãos”; Fp 1:6 “Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo;


ARMINIANO

Depravação Total
Rm 3:23 “todos pecaram”; Ef 2:1 “estando vós mortos em delitos e pecados”

Eleição Condicional
I Pe 1:2 “Eleitos segundo a Presciência de Deus”; Rm 8:28 “Porque os que dantes conheceu [Presciência] também os predestinou”

Expiação Ilimitada
Jo 3:16 “Porque Deus amou o mundo ... entregou seu Filho ... para que todo o que crê ... tenha vida eterna”; I Tm 2:3-6 “(Deus) quer que todos os homens se salvem ... O qual (Jesus) se deu a si mesmo em preço de redenção por todos”

Graça Resistível
Mt 19:21-22 “ e disse Jesus ... vem, e segue me. E o jovem ouvindo está palavra, retirou-se triste”;  At 7:51 “vós resistis ao Espírito Santo”

Perseverança dos Santos – pode-se cair da graça
Hb 6:4-6 “provaram o dom celestial ... se fizeram participantes do Espírito Santo ... provaram a Palavra de Deus ... e recaíram”; Gl 5:4 “da graça tendes caído”

CONCLUSÃO E OPINIÃO 


Basicamente os crentes de ordem Tradicional Reformada tendem para a doutrina Calvinista, que surgiu em um momento de muito debate entre as indulgências católicas e a graça de Deus e talvez por isso esses irmãos do passado foram tão ferrenhos na formulação doutrinária.


Já os crentes de linha Pentecostal Carismática tendem para a doutrina Arminiana. 


Todavia em minha mente é inconcebível Deus enviar pessoas ao inferno sem lhes dar a oportunidade de arrependimento e sem ao menos explicar o porquê Ele fez isso, por isso compactuo mais com as idéias Arminianas.


Em minha opinião o texto de Romanos 8:28 é muito forte a favor dos Arminianos, pois diz “Porque os que dantes conheceu [Presciência] também os predestinou”, ou seja, a Predestinação veio depois da Presciência, a Predestinação é um resultado da Presciência.


Acho interessante um argumento do Reverendo Eber Cocareli (Calvinista) que diz “a eleição é soberana porque Deus a baseou no arrependimento humano [Presciência], e ele fez isso porque quis, soberanamente, se ele não quisesse nada aconteceria. (https://www.youtube.com/watch?v=ZnSlCQrXTQI).


O Reverendo Eber também expressa que no seu entendimento a Presciência de Deus viu o arrependimento da pessoa que seria iluminada pela graça.


Essa breve análise teve como finalidade ajudar na elucidação de dúvidas que me foram apresentadas e espero que possa esclarecer outros irmãos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Topo