Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

CURTA NOSSA PAGINA NO FACE

Série de Estudos Sobre a 5ª Medida

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

DO MOMENTO ATUAL AO MILÊNIO

Mateus 24:15 a 22
Marcos 13:5 a 7, 10, 14 23


Meus irmãos, os textos dos dois evangelhos que nós lemos, tanto em Mateus como em Marcos, estão falando das mesmas predições a respeito dos últimos dias à Igreja dos nossos dias para que ela aguarde a vinda do Senhor em ativa vigilância.


 A Igreja Fiel.
A Igreja do Senhor será poupada porque há um projeto para ela que já foi estabelecido desde a eternidade.
A Igreja vai ser arrebatada, um povo vai ser arrebatado. E nós perguntamos: Muitos serão salvos?
A resposta quem dá é o próprio Senhor Jesus: Poucos serão arrebatados. Por quê?
Porque é o período onde a fé, praticamente, desaparece e as pessoas substituem a Palavra do Senhor por argumentos, filosofias, liturgias, costumes, misticismo, usando o nome de Cristo e de cristianismo.
O momento que nós estamos vivendo é um momento onde nós podemos descortinar, através das revelações, tudo aquilo que está programado para esse tempo final em que estamos vivendo. Nós vemos um mundo em crise.
Os evangelhos de Mateus e de Marcos descrevem os acontecimentos, as crises que o mundo vive, é a crise moral, é a crise social, é a crise ideológica, é a crise existencial que afeta a maior parte das pessoas que adoecem por não saberem o porquê da sua existência, elas querem saber porquê nasceram e porquê vão morrer e nessa buscam infrutífera acabam por se perderem.
A grande crise, entretanto, está dentro da Religião porque as pessoas procuram algo substancial e não encontram e é por isso mesmo que o Senhor quer preservar a sua Igreja através das revelações, para mostrar que o tempo está-se cumprindo, que os dias se aproximam, que o tempo profético está marcado no relógio de Deus. O nosso relógio não marca o tempo pelo compasso cronológico do tempo do homem, ele é marcado através da revelação, é ela que marca o nosso tempo, o tempo da Igreja.
Tudo está andando muito depressa, as coisas estão acontecendo muito rapidamente e só a Obra está podendo acompanhar, discernir esse momento para a Igreja, ela está atenta aos acontecimentos para que possa estar preparada para o dia do arrebatamento.

O Mundo de Ontem.
Nabucodonozor teve um sonho e não se lembrava dele. O rei chama os magos e lhes diz: “Tive um sonho e para saber o sonho está perturbado o meu espírito... Se não me fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis despedaçados.” (Dn. 2:5 e 6 )
Daniel orou ao Senhor e recebeu a revelação. Ele foi lá e disse ao rei: “Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua... A cabeça era de ouro fino; o seu peito e os seus braços de prata; o seu ventre e as suas coxas de cobre; as pernas de ferro; os seus pés em parte de ferro e em parte de barro.
Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmiuçou. Então foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o cobre, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a pragana das eiras do estio, e o vento os levou, e não se achou lugar algum para eles; mas a pedra que feriu a estátua, se fez um grande monte, e encheu toda a terra...
Tu, ó rei, és rei de reis..., tu és a cabeça de ouro.
E depois de ti se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de metal, o qual terá domínio sobre toda a terra. E o quarto reino será forte como ferro... E quanto ao que viste dos pés e dos dedos, em parte de barro de oleiro, e em parte de ferro, isso será um reino dividido... por uma parte o reino será forte, e por outra será frágil..., mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro.
Mas nos dias destes reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído ; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos estes reinos, e será estabelecido para sempre.”
O que Daniel estava vendo?
Ele estava vendo o domínio do homem, os impérios, os governos que iam ser levantados no decorrer dos tempos até chegar aos nossos dias.
* O império babilônico foi mundial para aquela época, Nabucodonozor reinou de 605 a.C. a 562 a.C.
* O segundo império foi o medo-persa, com Dario I (521 a.C. a 330 a.C.).
* O terceiro foi o império greco-macedônico, com Alexandre Magno, o Grande (356 a.C. a 323 a.C.)
* O quarto foi o império romano.
Com a morte do conquistador macedônico, seus generais dividiram o império entre si e formaram Ligas para manter o poderio grego, entretanto uma das Ligas recorreu à ajuda dos romanos. Os romanos intervieram, progressivamente, na Grécia e em 148 a.C. a Macedônia tornou-se uma província romana, e em 146 a.C. a Grécia foi anexada a essa província.
Sempre houve uma preocupação de estabelecer-se um poder para dominar o mundo.
* O império romano estava estabelecido em Roma.
* No governo de Constantino (306 d.C. a 337 d.C.) o cristianismo tornou-se a religião oficial do Império.
* Em 395, com a morte de Teodósio, Roma estava pronta para sucumbir à invasão bárbara e à ruína.
* Os bárbaros eram guerreiros, mas não sabiam nada de administração político-social, por isso a Igreja de Constantino passou a administrar as células do Governo, ela passa a se firmar e a se estruturar politicamente para governar o mundo, e para isso faz de Roma, o centro de todas as suas atividades.
* A Europa é dividida. O regime feudal é estabelecido. Era a Idade Média, era o Período Feudal.
* Para controlar tudo, a Igreja de Constantino mantém um elemento político em cada feudo, para gerenciá-lo e dar ciência de tudo ao governo central, que era o Papa.
* Este regime papal não foi contestado publicamente até 1517, foi quando Lutero deu início à Reforma Religiosa. Toda a autoridade papal é tirada e, é dada àqueles feudos, o direito de se unirem e se transformarem em povos, em nações, cada um com a sua língua, com a sua identidade.
* Esse governo político domina, praticamente, tudo, por mil anos, aproximadamente. Esse milênio corresponde ao período de Tiatira. A Igreja de Constantino, a Igreja chamada Católica governa o mundo por este período, é um governo político-religioso.

O Mundo de Hoje.
Em 1989 a chamada Cortina de Ferro se abriu, o muro de Berlim caiu. O mediador foi o Papa.
Gorbachov era o primeiro-ministro da União Soviética. As Repúblicas Socialistas estavam vivendo grandes dificuldades. Até então a União Soviética dominava toda a Europa Oriental.
Como ela surgiu?
Em Outubro de 1917, após uma revolução, os bolchevistas constituíram um novo governo com base no comunismo, que é uma doutrina político-econômica marxista-leninista, doutrina essa que só admite a propriedade estatal sobre todas as coisas.
O que esta doutrina prega?
1) A não existência de Deus.
Era perfeitamente possível estabelecer um governo totalmente racional, humano, onde Deus não participa, e associar o mundo todo a esse tipo de governo ateísta.
2) A estatização.
Todos trabalhavam para o Estado visando o engrandecimento deste Estado e a formação de uma grande nação que poderia dominar e influenciar o mundo. Isso na prática não funcionou. Por quê?
Porque se o indivíduo ganha quatro dólares (como é o caso do salário em Cuba) para fazer determinado trabalho, e ganha os mesmos quatro dólares não fazendo, para onde tenderá a sua natureza humana? É claro que ele vai fazer “corpo mole”.
Os soldados soviéticos que estavam baseados na Alemanha Oriental quando aconteceu a queda do muro, ganhavam dez dólares porque recebiam um adicional por estarem longe de casa, mas depois da queda do muro eles deixaram de receber, muitos tiveram que vender as suas armas, suas roupas, andavam maltrapilhos, descalços, com fome, com frio pela Alemanha, longe da sua pátria, da sua família. Alguns foram abrigados pelos próprios alemães.

Caiu o muro!
Gorbachov, de imediato, viu que a situação era crítica, era caótica. A Rússia caiu com o muro.
Como foi que a Rússia subsistiu?
Ela subsistiu porque tinha uma área de muita produção em torno de si. A Chechênia, por exemplo, sustentava a Rússia com o seu petróleo, a Ucrânia mandava o seu ouro. Todos os que trabalhavam com o trigo pararam, as indústrias eram antiquadas, improdutivas, os países anexados que mantinham todo o sistema também, desmoronaram, faliram. A comida estava escassa, sem petróleo para o aquecimento no inverno, tudo acabando depressa. No ar pairava um clima de revolta, o governo pressentia uma grande revolução dentro e fora da União Soviética porque o exército estava a ponto de estourar.
O grande perigo, porém, estava nos países da Cortina de Ferro que não agüentavam mais serem sugados. A grande luta começou na Polônia, nos estaleiros, com a total aprovação do atual Papa, que é polonês. Ele deu toda a força, usou e abusou da sua influência e conseguiu amedrontar a Rússia.
O PIB da Alemanha Oriental não chegava a 1/10 do PIB da Alemanha Ocidental, eles não tinham nada, o mundo pôde ver o quanto a Rússia estava pobre, falida. Rachou o muro e assim todos puderam ver que o outro lado só tinha fachada.
Como já tinha rachado, eles resolveram abrir e com isso receberam, de imediato, quinze bilhões de dólares, choveu empréstimos, todos os países quiseram ver os soldados russos em suas casas e destinaram bastante dinheiro para a construção de casas para os militares, o mundo inteiro abriu os cofres, todos queriam ver os soldados soviéticos pelas costas, veio comida, roupa, tudo.
Agora eles estão falidos de verdade porque ainda não aprenderam a trabalhar, ainda trazem o ranço, eles sempre foram sustentados pelo Estado, mas o Estado faliu porque não há mais de onde tirar os recursos, antes ele tinha os países anexados de onde ele sugava tudo para se manter vivo, mas agora acabou e a crise da Rússia é bastante conhecida por nós hoje.
A corrida espacial, os satélites, a corrida armamentista, tudo tinha por finalidade o poder, o domínio. Toda tecnologia era alemã, eles nunca inventaram nada, toda a produção intelectual era alemã, nunca se ouviu dizer que da Rússia saiu alguma coisa que beneficiasse a humanidade.
O que isso tudo tem a ver com a estátua do sonho de Nabucodonozor?
Do lado ocidental, o capitalismo, os cristãos, que é o barro.
Do lado oriental, o comunismo, os ateus, que é o ferro.
Agora eles estão juntos, e o objetivo é o materialismo. Eles estavam separados, mas eram iguais, ambos são materialistas, os cristãos são tão materialistas quanto os comunistas; a única diferença é que aqueles crêem em Deus e esses não crêem, são ateus.
No Ocidente, a cruz. No Oriente, a foice e o martelo. Agora estes três símbolos se unem. Qual é o objetivo?
Eles se unem para guerrear contra o Cordeiro de Deus, eles estão juntos para uma grande batalha que vai ser travada em Jerusalém. É o último governo que vai surgir, é o governo da besta, que é o dragão vermelho mencionada no Apocalipse, a antiga serpente, ela tem sete cabeças e dez chifres, símbolo da autoridade. Será um governo tenebroso.
Tudo está sendo preparado pelo anticristo. Por que ele é chamado de anticristo?
Porque ele vai pregar tudo o que Cristo pregou, só que vai negar a eternidade, vai negar o sacrifício de Jesus, ele vai adaptar tudo aquilo que Jesus pregou para o seu projeto maligno, ele vai pregar exatamente aquilo que os comunistas pregam, que Jesus era comunista, que Jesus era filho de Maria, que era camponesa (foice) e de José, que era carpinteiro (martelo).
Duas grandes potências, duas táticas de combate. O Ocidente, liderado pelos americanos, que impunham a força, a guerra convencional. O Oriente, liderado pelos russos, que adotavam a guerra fria para controlar a situação.
Iniciada esta abertura, Gorbachov foi recebido pelo Papa, que o saudou, dizendo: Bem-vindo, Príncipe de Magogue. O Papa sabia direitinho de quem se tratava e tem muito crente que não sabe o que é Magogue.
Gogue e Magogue são aqueles que vão se unir para fazer guerra contra os santos, eles vêm do norte para a grande batalha contra Israel, em Jerusalém.
Por que este interesse por Jerusalém?
Porque ela faz parte do plano profético de Deus.
No mundo inteiro estão sempre pipocando algumas guerras, o mundo não vive em paz, ele vive de trégua em trégua, paz aos pedaços. Hoje a figura central no mundo é o Papa porque ele tem trânsito livre em todas as partes do mundo, ele é o mediador de todas as questões, entra e sai em todos os lugares, aquela simpatia, seria eleito facilmente na Rússia ou nos Estados Unidos como líder mundial, ganhava disparado, recebendo, inclusive, os votos dos evangélicos de todo o mundo.
A atenção mundial está voltada para Jerusalém. Por que não Tóquio? Ou Washington? Ou Paris?
É para Jerusalém porque existe um projeto de Deus para estabelecer o Milênio em Jerusalém. Todo o projeto do adversário é arregimentar forças para a grande batalha que vai ser travada com o intuito de evitar que Jesus venha estabelecer o seu Milênio em Jerusalém, conforme apontam todas as profecias.
O que aconteceu na Cortina de Ferro foi parte de plano maligno. Stalin incumbiu-se de mais de vinte milhões de mortes, fora as guerras e tudo o mais. Mas agora está tudo bem, estão todos juntos, beijinhos de cá, beijinhos de lá (porque é um costume russo) e tudo certo, exatamente como Judas.
É assim que o adversário age no mundo. A Palavra diz que o mundo jaz (está morto) no maligno.
Quem entende todo esse projeto do adversário?
Só a Igreja porque ela tem a revelação.

O Mundo de Amanhã.
A Palavra diz que eles vão-se unir no vale de Josafá ou Jezreel. Esse vale passa perto de Megido, que á uma fortaleza que Saul construiu para dominar todo esse vale que vai do Jordão até ao mar Mediterrâneo.
Todas as lutas de Jerusalém aconteciam ali, a concentração das tropas era nessa região.
Israel tem feito várias concessões, tem feito acordos de paz e tem cedido porções de seu território e isso tudo é uma bênção para nós porque se isso não estivesse acontecendo, Jesus não viria, os fatos não se precipitariam. Para Israel é um erro, mas para nós é uma bênção. A palavra profética diz que Jerusalém será cercada e Jerusalém já está efetivamente cercada. O líder palestino Yasser Arafat declarou recentemente que o seu objetivo é a criação de um Estado palestino, com a capital em Jerusalém.
Em Mateus nós lemos: “Então, os que estiverem na Judéia fujam para os montes ... Ai das grávidas, e das que criarem naqueles dias! Orai, pois, para que a vossa fugida não aconteça no inverno nem no sábado.”
Todo o mundo, inclusive os árabes, sabem que os judeus guardam o sábado e que neste dia eles só podem caminhar de casa até à sinagoga, eles sabem que os judeus não poderiam fazer nada no caso de um ataque, por isso sempre atacam no sábado. Tudo fica parado na parte de Jerusalém governada pelos judeus.
A batalha será neste vale, os exércitos virão do oriente, do norte e ficarão concentrados ali.
A Palavra diz que o rio Eufrates vai secar para que haja essa união dos exércitos. O que isto significa? Será que o leito do rio ficará seco para dar passagem às tropas?
Não, isto significa que vai haver uma união de fronteiras, Iraque e Irã, que são dois grandes inimigos de Israel, vão-se unir para atacar Jerusalém, a fronteira entre eles desaparece, não haverá impedimento para que se juntem.
Por que o desarmamento nuclear?
Porque esta batalha contra Jerusalém será no corpo a corpo, a cidade não sofrerá nenhum dano, não será bombardeada, eles preservarão os lugares sagrados.
Há alguns anos, quando o Iraque investiu contra o Irã, ele voltou a sua atenção também para Israel e lançou bombas em Tel-Aviv, mas não atacou Jerusalém.
Por que essa preocupação?
Porque Jerusalém é um lugar sagrado para os árabes, para os muçulmanos, para os cristãos e para os judeus, por isso é que o Papa se empenha para que Jerusalém seja internacionalizada, para que o culto seja acessível para todo o mundo.
Qual é o desejo do anticristo? Qual é o seu discurso?
Ele vai pregar tudo aquilo que o cristianismo prega (pão, paz e liberdade), o que diferencia é o objetivo.
O que o mundo pede?
Ele pede o pão que perece, a paz efêmera (trégua) e liberdade sem limite (libertinagem).
Ele vai resolver isso do seguinte modo: Cristo partiu o pão, então nós também vamos partir o pão, quem tem mais vai dar para quem tem menos. Ele vai dividir a miséria. Ele vai estabelecer um governo único que agradará ao mundo inteiro.
Nesse momento a Igreja Fiel estará arrebatada, é o período da grande tribulação que sobrevirá sobre os que ficarem.
O inimigo mandará que seus exércitos tomem Jerusalém.
Num primeiro momento ele fará um acordo com a intenção de dividir Jerusalém, ele vai dizer: “Isso aqui é para os árabes; isso aqui é para os muçulmanos; isso aqui é para os cristãos; e os judeus ficam com esse pedaço para poderem construir o templo.”
Por que Israel quer construir o templo?
É para poderem sacrificar. Por quê?
Porque na idéia do judeu, o Messias prometido ainda não veio, para eles Jesus não era o Messias prometido porque Ele não os libertou do jugo romano. Mas Jesus virá para dar livramento a Israel porque o verdadeiro inimigo de Israel é também o nosso inimigo, o império romano pouco ou nada representa como ameaça em comparação a este adversário.
Eles acreditam que o Messias virá para restaurar o reino de Israel, a sua pátria, os lugares santos, a terra dos Patriarcas, os lugares que estão sob o domínio dos árabes. Todo o culto deles é nesse sentido.
O Papa vai repartir o bolo, a besta (que é um poder) vai determinar quem fica com o que.
Israel vai construir o templo, e quando estiverem preparados para sacrificar afim de que o Messias venha, o inimigo quebrará o acordo de sete anos. Isso acontecerá exatamente na metade do tempo acordado, ele romperá e Israel passará a viver uma grande tribulação. Serão 3,5 anos de calma e 3,5 anos de tribulação, de tal maneira que a Palavra diz que se o Senhor não abreviasse aqueles dias, nenhuma carne se salvaria.
A Palavra diz que ele vai sentar-se, como Deus, no templo de Deus (em Jerusalém), querendo parecer Deus (II Ts.2:4), ele vai querer ser adorado como Deus e o mundo estará disposto a adorá-lo. A Palavra diz que o mundo se maravilhará com os seus prodígio. Ap. 13:3 e 4, diz: “... e toda terra se maravilhou após a besta. E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?” Isso porque ela fará descer fogo do céu, ela terá poderes nunca vistos e assim enganará a muitos quando disser: “Eu sou o Cristo.”
Os judeus se revoltarão, mas com que força? Os exércitos inimigos prontos para atacar e tomar Jerusalém de assalto para que ele estabeleça ali o seu reino de morte, em substituição ao reino de Jesus.
Ele é a assolação da desolação de que falou Daniel, ele vai romper o acordo com Israel e todos concordarão com ele, todos os crentes, os evangélicos que estão comprometidos com o ecumenismo, todos os que têm a Bíblia sem revelação, todos vão estar envolvidos pelo engano porque não têm revelação, só têm a letra.
Todos esses “santos” que são venerados aí serão cassados por ele porque toda a idolatria será para ele, única e exclusivamente, ele não vai querer repartir com “santo” nenhum, nem Efigênia, nem Jorge, nem Antônio, ninguém, e quem não concordar, morre, porque ele vai instituir o mesmo sistema opressivo que vigorou em todos os tempos. Quem não tiver o seu sinal, não vai comprar e nem vender, vai morrer.
A tribulação vai ser vivida pelo povo judeu, A Igreja Fiel, a esta altura, já foi arrebatada.

A grande batalha.
A grande batalha será travada pela posse do reino. Jesus descerá com os santos no monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém e o Senhor destruirá o adversário.
Em Zc. 14:12, lemos: E esta será a praga com que o Senhor ferirá a todos os povos que guerrearem contra Jerusalém: a sua carne será comida, estando eles de pé, e lhes apodrecerão os olhos nas suas órbitas, e lhes apodrecerá a língua na sua boca.
Isto confirma o texto que lemos em I Jo. 2:16: Porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida (que é a língua), não é do Pai, mas do mundo.
É o grande juízo de Deus, talvez um dos últimos juízos sobre a carne.
E Zacarias continua dizendo: Naquele dia também acontecerá que havendo uma grande perturbação do Senhor entre eles; porque pegará cada um na mão do seu companheiro, e alçar-se-á a mão de cada um contra a mão do seu companheiro.
Eles vão-se matar uns aos outros. Israel levará sete meses para enterrá-los.
Foi descoberto um vírus na África chamado ebola que faz exatamente isto, ele seca o olho na órbita, seca a língua, seca todo o corpo, ele provoca uma hemorragia intensa em todo o corpo. A Bíblia diz que o sangue derramado vai atingir os freios dos animais.
A praga se alastrará entre eles, o contágio será rápido, esse vírus é de alta contaminação. Ele já está ali, mexendo daqui, mexendo dali, ele reagirá e ficará mais forte e mais letal. Hoje ele consome o homem em dias, mais tarde será mais rápido.
O Senhor sabe muito bem como é que Ele vai fazer, Ele vai mostrar que o sopro da sua boca destruirá o adversário.
Nós estamos vivendo esse momento, ele é atual, nós já vimos a queda do muro para fortalecer o que vem de lá, um poder que é do adversário, com a finalidade de levá-lo a sentar-se no trono, em Jerusalém e ser adorado como Deus, porque ele sabe que Jesus virá com os seus santos e estabelecerá o Milênio em Jerusalém e reinará com os seus santos por esse período de mil anos.
É muito importante que entendamos que isto aqui é uma coisa nossa, é um segredo para a Igreja e nós devemos nos alegrar porque estamos vendo esse confronto, estamos vendo o final desse sistema de coisas.
A besta vem carregando a mulher, que é a Igreja Infiel. A besta é um poder político-religioso.
O livro de Apocalipse fala de duas bestas: a besta que vem do mar (ela surge da agitação, do Ocidente) (Ap. 13:1 a 10) e a besta que surge da terra (do Oriente) (Ap. 13:11 a 18)

Elas vão-se unir e uma dará autoridade à outra. A besta dos cristãos dará poder à besta dos ateus, que é a ideologia política, visando o materialismo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...