Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

CURTA NOSSA PAGINA NO FACE

ESPECIAL REFORMA PROTESTANTE

quarta-feira, 10 de junho de 2015

FUGI DO MEIO DA BABILÔNIA

FUGI DO MEIO DA BABILÔNIA
Jeremias 51: 6 “Fugi do meio da Babilônia, e livrai cada um a sua alma, e não vos destruais na sua maldade; porque esse é o tempo da vingança do Senhor; que lhe dará a sua recompensa”.
Introdução:
Deus estabeleceu uma aliança com o seu povo, colocando a disposição do mesmo todas as suas bênçãos. Porém o povo incorreu em inúmeras falhas e erros que culminaram com o seu afastamento do Senhor. A desobediência trouxe como consequência o cativeiro Babilônico, que serviu de disciplina e correção aplicadas por Deus a fim de que o povo caísse em si, e voltasse ao caminho proposto por ele a suas vidas, ou seja, o caminho da obediência e fidelidade às suas orientações. 



Os 70 anos vividos no cativeiro babilônico se encarregaram de tirar do coração de muitos o desejo e a esperança de um dia retornarem a sua pátria que era Jerusalém, esquecendo que babilônia não era o seu lugar. Hoje nós entendemos que o mundo não é o nosso lugar; temos uma pátria que nos espera que é a Jerusalém celestial. Deus oferece então ao seu povo a oportunidade de Salvação, dando-lhes conselhos preciosos para as suas vidas e que são os mesmos que o Espírito Santo nos tem dado.
Desenvolvimento:
Havia conselhos da parte de Deus para a vida do seu povo:
Fugi do meio da Babilônia – é sair do mundo, não sermos participantes dele. Com isso, Deus estava mostrando que haveria um escape para as suas vidas. O grande escape para o homem é Jesus, que é o caminho que nos conduz a eternidade com Deus. Babilônia não é o nosso lugar, o nosso lugar é Jerusalém celestial.
E livrai cada um a sua alma - A salvação é individual, cabe a cada um de nós decidirmos pela vida eterna ou não. A alma só será livre da morte, se ela estiver abrigada em Jesus tendo-o como o seu Senhor e Salvador.
E não vos destruais na sua maldade – a Babilônia com as suas superstições, idolatrias, seus deuses, caracterizava-se como um mundo mal, visto que esses e outros elementos representavam a sua maldade, afastando a muitos de viverem e terem uma experiência com o Deus vivo. O mundo jaz no maligno, pois a uma ação daquele que veio para roubar, matar e destruir. Permanecer em Babilônia era optar por uma vida de pecados e não por uma vida de santificação, que é a vida que agrada a Deus.
porque este é o tempo da vingança do Senhor; que lhe dará a sua recompensa – o mundo está debaixo de um juízo de morte e haverá o momento em que Deus irá executar este Juízo sobre o mesmo, foi assim, nos dias de Noé, foi assim nos dias de ló, foi assim sobre o Egito, seria sobre a Babilônia... . O que cabia ao povo do Senhor era atentar para os conselhos dados por Deus acerca das suas vidas como prova de amor e de que não os havia abandonados. Conselhos que sendo observados e cumpridos lhes asseguraria a preservação das suas almas.
Conclusão:
Os conselhos do Senhor são conselhos de vida, que uma vez atendidos, preservarão o homem do juízo de morte que já está decretado sobre o mundo.  Quando Ouvimos e obedecemos à voz do Senhor, os seus conselhos; os nossos corações se enchem de paz e a nossa alma passa a desfrutar da segurança de que estaremos com o Senhor na eternidadeFugi do meio da Babilônia, eis a decisão que cabia a cada um tomar. Não permaneça em Babilônia, pois o mundo não é o lugar que Deus preparou para a sua vida, há uma Jerusalém Celestial para minha e a tua vida.   
”fugi do meio da Babilônia, e livrai cada um a sua alma...”.


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...