Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

CURTA NOSSA PAGINA NO FACE

domingo, 15 de março de 2015

TIRA ÁGUA PARA O CERCO

TIRA ÁGUA PARA O CERCO
Naum 3: 14
        Os profetas “menores” tais como: Naum, Habacuque, Sofonias e Ageu, entre outros,  profetizaram acerca dos acontecimentos referentes aos últimos dias, e não propriamente sobre Israel. Por isso eles não recebem, por parte dos israelitas dos nossos dias, o valor merecido. A profecia data de, aproximadamente, 6 (seis) séculos antes do Senhor Jesus.

Naquela época, uma das táticas de guerra mais usadas pelos exércitos era o cerco. O objetivo dessa estratégia devia-se ao fato de que  as cidades eram protegidas por grandes muralhas, portanto, o cerco visava impedir que a população saísse para colher novos alimentos e se abastecer de água, forçando-os, com o passar do tempo, à morte ou a rendição.

Naquela época, quando uma cidade estava para ser atacada, a população tomava todas as providências com o intuito de resistir ao cerco o máximo de tempo possível, até a chegada do socorro ou o livramento. Para isso todos tinham a preocupação de estocar, acumular, alimentos e principalmente, água para beber, consertavam imediatamente as brechas existentes nas muralhas, verificavam a disponibilidade de armas para o combate, procurando se fortalecer e, se possível, até derrotar o inimigo.

Tira água para o cerco - O profeta Naum viu – a exemplo da profecia sobre a cidade de Nínive - o que estava também para acontecer ao mundo nos seus últimos dias. O Senhor lhe havia revelado a respeito do cerco e do aperto pelo qual o mundo passaria, e ele escreveu para advertir a igreja fiel a fim de que ela se preparasse para os dias difíceis, que na verdade já começaram a se cumprir.
Nós precisamos tirar água, isto é, tomar a Palavra Revelada para, através dela, subsistir (espiritualmente falando) ao cerco pelo qual o mundo passa e permanecer de pé, firmado nas promessas do Senhor Jesus.

Fortifica as tuas fortalezas - As nossas fortalezas são as armas espirituais que o Senhor tem colocado à nossa disposição. São os Meios de Graça: o jejum, a oração, as madrugadas, a comunhão, a vida no corpo, o Clamor pelo Sangue de Jesus e tudo aquilo que é da fé e que pertence ao Espírito Santo. Não podemos confiar na nossa própria experiência ou na nossa razão, pois as armas da nossa milícia não são carnais. A fortificação das fortalezas geram salvação e vida eterna para nós e para aqueles que o Senhor quer chamar para à sua presença.

Entra no barro e pisa a massa - Apesar do cerco e das tribulações desta última hora, a igreja precisa estar servindo, ela não pode estar assustada nem pode parar de trabalhar, pois muitas vidas precisam ser alcançadas e salvas. Entrar no barro e pisar a massa são atividades que fazem parte do processo de fabricação de tijolos. Isto se refere à evangelização. O homem é como o barro, e o homem desta hora é como barro endurecido, que precisa ser tratado com a água (Palavra revelada) para amolecer seu coração e servir ao propósito do Senhor. Quando transmitimos a Palavra e o testemunho, estamos entrando no barro e pisando a massa, preparando-a para ser moldada conforme o propósito do Senhor.

Toma a forma para os ladrilhos – Depois que o barro é amolecido e pisado, necessita ser moldado conforme a forma para adquirir as dimensões do padrão. O padrão não é o nosso, mas o de Deus. O formato não é o da religião, mas o da Obra revelada pelo Espírito Santo. O Senhor Jesus é o nosso padrão (a estatura de varão perfeito), e nós somos os ladrilhos – tijolos que serão usados na construção da Obra que o Senhor tem realizado nesta última hora.

Nínive era a capital do império da Assíria, a beira do Tigre, segundo o profeta Jonas, era uma cidade grande -”de três dias de caminho”- porém sanguinária, seus exércitos praticavam as maiores atrocidades, cortavam as mãos e os pés, os narizes e as orelhas, vazavam os olhos dos cativos. Sua destruição, anunciada pelo profeta Naum, foi literalmente cumprida. Seus palácios são, agora, habitados pelas feras e outros animais, como a hiena, o lobo e o chacal.

Há um juízo determinado sobre o mundo e ele não será revogado, portanto urge tomarmos todas as providências para que possamos resistir ao cerco - “Sede sóbrios; vigiai; porque o adversário, anda em  derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar”

I Pedro 5:8 – precisamos, pois, estar atentos e vivendo todo este processo no sentido da preservação  das nossas vidas, até que venha o nosso socorro e a nossa redenção. 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ESPECIAL REFORMA PROTESTANTE