Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

CURTA NOSSA PAGINA NO FACE

Série de Estudos Sobre a 5ª Medida

quarta-feira, 23 de julho de 2014

INFIDELIDADE CONJUGAL

“Jardim fechado… Eu sou um muro, e os meus seios como as suas torres; sendo eu assim, fui tida por digna da confiança do meu amado”. (Gn. 2:24,25) 
Quem ama não trai. Com certeza não existe maior traição da confiança do que a infidelidade conjugal. POR QUE PESSOAS TRAEM?

A prática do adultério na sociedade contemporânea é mais comum do que muitos gostariam de admitir. A tolerância social para com o adultério é claramente propagada pela mídia e “encarnada” como atividade normal no cotidiano das pessoas. Dessa forma, o relacionamento monogâmico não é mais interpretado com uma virtude, mas como um comportamento ultrapassado. Além do mais, a “sensualidade legal” da cultura brasileira influencia não apenas os incrédulos, mas infelizmente os membros da igreja cristã. Ainda que os cristãos tenham ciência das conseqüências devastadoras do adultério, pouco se faz com o objetivo de evitá-lo e muitos “flertam com o inimigo ao lado”. Neste artigo, o autor aborda três tópicos relacionados ao adultério: seusmitos sociais, a necessária atenção dos cônjuges cristãos para com as carências básicas da esposa e do marido e, por fim, a apresentação de alguns princípios bíblicos para se evitar o pecado da infidelidade conjugal. A pressuposição básica deste ensaio é que Deus, aquele que estabeleceu o padrão monogâmico para o relacionamento conjugal, revelou em sua Palavra um número suficiente de princípios e diretrizes que permitem aos cristãos manterem a fidelidade no matrimônio mesmo em uma sociedade adúltera.
Causas neuróticas: Os “mimados” – são aqueles que acreditam que precisam de tudo o que desejam. Encaram caprichos temporários com necessidades básicas. Os casos nunca correspondem sua expectativas, que são, aliás, irreais (ex: a síndrome do fim de semana perfeito, do sexo perfeito).
Não adulterarás (Êxodo 20.14). Adulterar é o ato de uma pessoa casada relacionar-se sexualmente com outra que não é o seu cônjuge. O adultério é um grave pecado de consequências desproporcionais ao bem-estar da família. Agir como infiel no casamento produz sérias consequências. Gera o afastamento de Deus, acaba com a espiritualidade e torna o lar em pedaços, é o mesmo que desferir o golpe da ruptura da paz no ambiente da intimidade do casal, além de afetar o cônjuge desonrado também fere de forma brutal os filhos, que sofrem demais. Estes são  motivos para o Senhor proibir o sexo extra-conjugal, considerá-lo ofensa, e abominar a prática da infidelidade conjugal.  Devido a esses males, na Lei Mosaica a pessoa infiel no casamento era julgada e condenada ao apedrejamento (Levíticos 20.10; Deuteronômio 22.22). O Novo Testamento contém reprimendas aos adúlteros: Romanos 13.9; Gálatas 5.19. O adúltero é, espiritualmente cego, louco e fraco, pois troca minutos de prazer físico pelas bênçãos divinas, escolhe o prazer temporal em troca de prazeres indescritíveis e eternos, lá no céu (confira: Isaías 59.1-2; 1 Coríntios 6.10; Hebreus 13.4; Apocalipse 21.8; 22.15). O curso deste mundo tenebroso - Quem adultera não entende o objetivo de Deus para sua felicidade no plano físico; o adúltero destrói violentamente a sua própria alma. É isso que sintetiza Provérbios 6.32. A união de um homem e uma mulher se consiste não apenas na procriação, combina todos os aspectos da vida. Tal conceito é apresentado primeiramente em Gênesis 2.24 e depois repetido no Novo Testamento, explicando que o casamento também tem o objetivo de atender mutuamente as necessidades um do outro, tendo como ilustração o relacionamento entre Cristo e a Igreja (Mateus 19.5; Marcos 10.8; 1 Coríntios 6.16; Efésios 5.33). Para as pessoas que não seguem o plano divino, a infidelidade é uma atitude aceitável socialmente. Mas, mantém-se firme a orientação do Senhor sobre fiéis e infiéis: Deus une homem e mulher em uma só carne quando é efetivado o casamento e o que o Senhor ajuntou o ser humano não deve nem pensar em separar (Gênesis 2.24; Mateus 19.6). O casal deve vigiar e orar em favor do bem-estar conjugal e bom relacionamento em família, evitando o adultério e posterior abalo conjugal (Mateus 26.41). A mente e o coração devem estar guardados no Senhor; usar as Escrituras Sagradas como bússola e com ela realizar auto-análises com o objetivo de aprimorar o convívio. O compromisso de vivenciar as diretrizes da Palavra de Deus aos casais fortalece a união do homem e da mulher, num amor profundo e permanente um pelo outro, gera uma unidade feliz, situação rara neste mundo carente de valores éticos e princípios cristãos. As promessas no altar e o passar dos anos... - O diabo trabalha de maneira sagaz, cria ciladas para dilacerar a união conjugal bem-sucedida (Efésios 6.11). O adultério acontece num processo lento: começa na mente com pensamentos aparentemente inofensivos e travestidos de romance-com-final-feliz.  Provérbios 5.3 descreve a relação adúltera como prazerosa, porém, frisa que tal prazer tem preço altíssimo, sofrimento e dor. Se os pensamentos não são evitados apodrecem a alma e o coração. Ao serem alimentados a consequência é a maldade praticada contra Deus e o cônjuge. Para manter as características de um casamento saudável e bem sucedido, evitar a infidelidade matrimonial  ao passar dos dias e anos, conforme solicita Hebreus 13.4, esposo e a esposa precisam ter em mente que o matrimônio é um compromisso com objetivo claro. Há ocasião em que um dos cônjuges chega a duvidar se existe algum resto de amor por ele no coração daquela pessoa que um dia trocou alianças e juras de amor eterno numa solene reunião na igreja. Pensa-se em como o desapontamento dominou a relação e as expectativas transformaram-se em frustrações. Então, surge o perigo do fim, quando se pensa que não é possível continuar a relação a dois. Situações assim são apenas fases baixas da convivência entre marido e mulher, não são motivos para pensar em desistir do casamento ou relação extra-conjugal. Homens e mulheres são seres humanos, têm temperamentos, sentimentos, desejos variáveis. É natural que sejam afetados por ciclos de mudanças que marcam a convivência no relacionamento mais íntimo da vida deles. Para vencer esses momentos em que o amor parece ter acabado, é necessário o casal focalizar em seu compromisso com Deus, e nas promessas que um dia fez ao cônjuge diante de Deus na cerimônia da igreja. Havendo cuidado em manter viva a lealdade a Deus, decisão em afastar-se das tentações, ambos contribuem com o respeito mútuo e favorecem a continuidade do afeto e fidelidade entre si. Assim, ambos resistem aos momentos em que o amor parece ter ido embora. E este momento ruim é que realmente desaparecerá. A fidelidade resulta em condições para vencer batalhas aparentemente  insuperáveis.  Cuidados necessários - Sabedor da importância da prática de intimidade entre o casal, que é um presente de Deus para homem e mulher aproveitarem, o apóstolo Paulo respondeu aos cristãos de Corinto, 1 Coríntios 7.1-5, perguntas.  Ele ensina três estratégias básicas aos casais para protegerem-se contra as artimanhas do diabo: 1. O homem tem o dever primordial de suprir as necessidades da mulher e vice-versa (7.3); 2. Apesar do sexo ser imprescindível ao homem, para a mulher há momentos que a relação física fica em segundo plano, vindo antes os cuidados com filhos, trabalho, etc. O apóstolo chama a atenção para isso, afirmando que o princípio de entregar-se ao outro colabora para o sucesso conjugal, a carência física é usada pelo diabo para trazer as tentações do adultério  (7.4); 3. A separação de corpos só é recomendável quando existir da parte de marido e esposa o consenso pleno de cessar o ato sexual por determinado tempo com o objetivo de aplicarem-se à oração (7.5) Reflexão de Steve Stephens: "A maioria dos fracassos conjugais é o resultado da falta de intimidade emocional. Se os dois não se conectam em nível sentimental, lutarão entre si. Muitos casais acham-se desunidos emocionalmente." Use a prudência como Jesus ensinou, tome cuidado com o que você pensa e vê: Mateus 10.16; 26.41; Salmo 101.3; Filipenses 4.8. Vivemos neste mundo mas não somos dele, e como seres sociais podemos e devemos nos relacionar com diversas pessoas, porém é preciso conhecer e respeitar nosso limite, evitando comprometer a estabilidade do relacionamento conjugal. É preciso saber até onde podemos ir e não ir. Hoje em dia, vivemos numa sociedade em que não é apenas a comunicação presencial que gera riscos ao casamento. Além dos círculos de atividade profissional e relacionamentos na igreja, há a  navegação pela Internet também. 1. Emprego:  É inevitável conhecer pessoas na empresa e fazer aproximação com quem sentimos mais afinidade e assim produzirmos comunicação permanente com elas. Alguém já disse que honrar é respeitar o outro na ausência. Honremos o esposo e a esposa em ambientes em que estamos distantes. Muitos cristãos, inconscientemente descuidam-se do seu casamento. Por falta de orientação dedicam-se exageradamente ao trabalho, secular ou eclesiástico, em detrimento de sua família. As horas-extras no emprego roubam a presença atenciosa e carinhosa do marido e do pai em casa. É necessário haver equilíbrio, pois o casamento é projeto de Deus, pois a família é o primeiro rebanho do Senhor e jamais deve ser esquecido ou desprezado (1 Timóteo 3.1-7; 5.8; 1 Coríntios 7.32-34). 2. Igreja: Segundo Barbara Hughes, no livro Disciplina da Mulher Cristã (CPAD), a igreja parece uma comunidade de casamentos sãos. É boa na superfície, com seus cursos de segurança financeira e casas elegantes, com terapeutas matrimoniais para quando houver crises; mas, diz a escritora, não é por esses padrões que Deus mede um casamento. Ela tem plena razão, pois Deus não se atém aos detalhes, mas ao escopo geral, à faixa dos valores assumidos pelo casal. A igreja é uma comunidade para que estabeleçamos laços fraternos de amizade, lugar em que temos a oportunidade de criarmos relacionamentos com pessoas distintas. Há os departamentos de adultos e de jovens. 3. Internet: A invenção que revolucionou a comunicação da humanidade pode ser uma bênção aos casais. Ela proporciona um mundo imenso de novas oportunidades, novos empregos e amizades. A esfera virtual congrega pessoas de diversos tipos e origens, intenções boas e más, então, é preciso muito cuidado diante do monitor, pois a imoralidade e a infidelidade destroem a família. Todo cuidado é pouco quanto às  imagens e sites acessados. Não dê margem alguma à pornografia. Recado aos adúlteros - É para lamentar, muitos cristãos se deixam levar pelas armadilhas diabólicas fazendo da infidelidade ao seu par um costume. Não trate o pecado sexual como mero romance. Não se engane pensando que a paixão carnal e o sentimento de bem-querer por alguém que não é o marido ou a esposa o isentará de castigo no Dia do Julgamento Final, apesar de seu relacionamento extra-conjugal ser aceito em seu círculo social. Se estiver fazendo da infidelidade conjugal uma rotina de vida, conserte-se enquanto é tempo. Mude, perante Deus e a sociedade: "Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." - 1 João 1.6-9. Depois da morte segue-se o juízo (Hebreus 9.27): "Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, Mas uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários.' (...) 'Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo." -  Hebreus 10.26-27; 30-31. Conclusão - Como vai sua família? Apesar de homem e mulher serem radicalmente diferentes, física, emocional e espiritualmente, ambos foram criados por Deus para complementarem um ao outro. A família é o bem maior que o Senhor nos concedeu. A vontade divina é que o lar seja um ambiente tranquilo, alegre, confortante, revigorante. Para que o lar seja sempre um aconchego, o casal precisa apreciar um ao outro em todos os aspectos - apreciar é valorizar. Há casais que dão valor imenso para a decoração de casa, há maridos que cuidam bem do rendimento do dinheiro no banco, entretanto se esquecem de dispensar o merecido valor a pessoa com quem escolheu casar-se. Onde estiver seu tesouro também estará seu coração (Lucas 12.34). O cônjuge jamais deve desprezar o outro, a fim de que  suas orações sejam respondidas por Deus e o perigo da deslealdade jamais se aproxime da unidade familiar (1 Pedro 3.7; Malaquias 2.16). Ame a pessoa com quem você casou-se. 
O marido deve dedicar seu carinho, sua honra e sua fidelidade à esposa, e de igual maneira ela para ele (Efésios 5.22-28). O amor é um antídoto contra a deslealdade. O amor entre os cônjuges deve ser incondicional, como é o de Cristo pela Igreja.
A fidelidade conjugal da segurança ao casamento e garante a bênção de Deus na vida do casal. Veja o a Palavra de Deus diz: “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros”. (H. 13:4) Na verdade, o adultério é a manifestação da necessiade de cura, libertação interior.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...